sábado, junho 02, 2007

Será que são assexuados?

O filme de animação de explicação da sexualidade a crianças transmitido ontem pela RTP2 encontrou a oposição dos mesmos de sempre: daqueles para quem a sexualidade é um crime, ou pior ainda um tabu que em caso algum pode ser discutido. Preferem por isso a ignorância, o obscurantismo e a duplicidade ao conhecimento da realidade, por muito desagradável que lhes seja (o que eu duvido).
Não me vou alargar mais sobre o tema porque sobre isso já há intervenções suficientemente claras e objectivas contra a hipocrisia desta gente:

Às mentes puras e corpinhos pudicos digo que é preferível um filme como este às Ginas das infâncias e adolescências de antigamente, e essas não fizeram mal a ninguém!

Imagem emprestada de O Quarto Segredo de Fátima

2 comentários:

João Rato disse...

Conheço essa rapariga a Gina, andei na tropa, Escola Prática de Artilharia - Vendas Novas. A Gina e a Tânia namoravam com muitos dos soldados. Tenho um grande respeito pela Gina e pela Tânia! Gostava de saber por onde andam elas agora: se tiveram filhos, se continuam na mesma vida, se casaram com algum soldado?!
E atenção a Gina e a Tânia, nada de confusões, não eram pretensamente Educadoras Sexuais, eram apenas o trapo tentando reter as águas da barragem, cumprindo a difícil tarefa de conter as águas do rio, protegendo as margens da civilização judaica-cristã da virilidade dos ejaculadores soldados!
Dá que pensar, mas eu tenho muito respeito pela Gina e pela Tânia e pelos jovens-homens que cumpriram comigo o serviço militar!
Qual educação sexual qual carapuça...já estou a divagar:
na sexta vi o filme com a Telma, no sábado vimos os dois com os dois filhos - bom filme! Até nem percebo porque num mundo de instruídos não são mais frequentes estas realizações!
Um abraço ao metralhinha com desculpas do desabafo!

Metralhinha disse...

A Gina e a Tânia eram gajas giras e há séculos que não lhes ponho a vista em cima.
Quanto aos desabafos, é para isso que servem os blogs e as caixas de comentários.

Dispõe sempre.