terça-feira, dezembro 30, 2008

Sobre o Direito da Guerra - um caso prático

Circula, como circula muito outro spam pela Rede, um mail que dá para reflectir um pouco sobre o que se vai passando no Médio Oriente nos dias que correm.

CARTA A UN MUNDO CIEGO, SORDO Y ATEMORIZADO
Hace ya más de tres años que Israel ha abandonado, debido a presiones externas e internas, la Faja de Gaza.
Hace ya casi dos años que Hamas, movimiento islámico terrorista apoyado y armado por El Qaida, Iran y Siria, ha tomado el poder en Gaza, atraves de un golpe armado en el que no faltaron escenas sangrientas y brutalidad sin limites.
Desde entonces, ese movimiento islámico fundamentalista, que no reconoce el estado de Israel y apoyado por una organización terrorista internacional Y POR DOS PAÍSES MIEMBROS DE LAS NACIONES UNIDAS, ha bombardeado constantemente, un día mas, un día menos, las poblaciones de Israel que tiene al alcance de sus armas – misiles y morteros. El alcance de esos misiles ha ido aumentando a medida que los países que apoyan y arman el Hamas le proveen con material bélico, y llega hoy a 40 kilómetros, lo que coloca como posibles blancos las ciudades de Sderot, Netivot, Ofakim, Ashkelon, Ashdod, Kiriat Gat, Kiriat Malachi, Gedera, Nes Tziona y Beer Sheba (capital del Neguev y cuarta ciudad en tamaño en Israel). Eso, ademas de decenas de colonias agrícolas y pequeñas aldeas.
O sea, en otras palabras – centenas de miles de ciudadanos de Israel están hoy en día bajo la amenaza de misiles o bombas de mortero, proyectiles que caen diariamente en territorio de Israel – Y EN EL MUNDO ENTERO NADIE HACE NADA NI A NADIE LE IMPORTA.
Cual seria la actitud de Francia, España – o Rusia – si eso ocurriera durante meses y meses en alguna de sus fronteras??!!
Hamas juega con ventaja, la misma ventaja que tiene el Hizballah en el Líbano – un escudo humano formado por civiles inocentes, y sabe muy bien que toda acción militar que Israel decida llevar a cabo tendrá como consecuencia la muerte de muchos de esos inocentes. La vida humana, lo han demostrado claramente ya por decenas de años, no tiene ningún valor para un Islam fanático que ha dejado de lado hace mucho todos los valores morales, un Islam cuya ceguera fanática es una amenaza real AL MUNDO CIVILIZADO EN SU TOTALIDAD.
Ese mismo mundo, atemorizado, calla y mira hacia otro lado, dejando que Israel se las arregle, y siempre dispuesto a censurar a Israel – pero nunca, nunca, al Islam fanático.
Europa ya ha sido conquistada – esa es la amarga y triste realidad. Es innecesario detallar lo que pasa en los países de Europa Occidental y hacia donde ellos se dirigen, inexorablemente...
Toda acción que Israel se ve obligada a realizar – aun sin ser militar – para tratar de reducir los ataques de Hamas, es inmediatamente blanco de críticas y censuras. La patética “izquierda progresista” ataca a Israel, profesores británicos boicotean a Israel (cuando se ha de comentar, finalmente, el triste y vergonzoso papel de Inglaterra en el conflicto árabe – judío???) – y un sinfín de organizaciones siguen la senda de “justicia para el pueblo palestino”. De los millones y millones de dólares que los “lideres” de ese pueblo han robado descaradamente, nadie habla…y de los derechos de los ciudadanos de Israel tampoco!!
Esta carta, que sin muchas esperanzas, envió hoy a algunos amigos, es simplemente un aviso más que, casi seguro, pasara desapercibido o será. Sin embargo, en Israel somos muchos los “alguien sin importancia” y juntos hemos conseguido construir un país del cual podemos estar orgullosos, conscientes de nuestros defectos pero aun así seguros de representar en esta parte del mundo algo mejor, mucho mejor, de lo que pueden presentar nuestros vecinos.
Y no pensamos dejar que destruyan 60 años de construcción y realización aquellos que representan el fanatismo, la intolerancia y el retroceso de la civilización.
Una civilización imperfecta, sin duda alguna – pero superior, con mucho, a las tinieblas hacia donde el Islam desea que retrocedamos.
La democracia es muy importante – pero también es necesario defender nuestra integridad nacional.
Muchos países no se atreven a enfrentar la realidad – y esa realidad los esta destruyendo paso a paso, desde dentro.
Yehuda (Edmundo) Hochmann, PhD.
Arad, desierto del Neguev, Estado de Israel, 24 de diciembre de 2008

domingo, dezembro 21, 2008

Sermão Dominical

How big must a band of robbers be in order to call itself an army?
How extensive in time and space must the power of a robber chief be before he may be regarded as a prince?

Niels Steensgaard

quinta-feira, dezembro 11, 2008

Manoel de Oliveira

100 anos e ainda trabalha

Parabéns!

terça-feira, dezembro 09, 2008

Grande Prémio Precariedade

Instituído pelos Precários Inflexíveis, este prémio visa reconhecer quem em 2008 mais contribuiu para a precariedade no emprego.
Nalgumas categorias a concorrência entre os nomeados é feroz mas o vencedor da ignomínia dos eleitores verá sempre nisso uma honra em prol da qual muito porfiou.


sábado, dezembro 06, 2008

quarta-feira, dezembro 03, 2008

Somos um Paí$ Rico

Recentes dados estatísticos revelam que os portugueses, os que tem trabalho, ganham pouco mais de metade (55%) do que a média da zona Euro!

Há claras evidências que mostram sem qualquer margem para dúvida que Portugal viaja na carruagem da frente da Europa, basta considerar para o efeito um dos elementos estatísticos relevantes na apreciação da realidade económica de um país, a remuneração média dos gestores de topo do sector público e privado (separação meramente formal).

Os gestores Portugueses recebem em média:

- mais 32% do que os americanos;
- mais 22,5% do que os franceses;
- mais 55 % do que os finlandeses;
- mais 56,5% do que os suecos

(dados de Manuel António Pina, Jornal de Notícias, 24/10/08)

À luz destes elementos, que julgo credíveis, peço ajuda aos "iluminados" que por ventura por aqui passem, que me expliquem o porquê da citação de um dos mais proeminentes Gestores deste país, Dr. Vítor Constâncio, que chama a nossa atenção afirmando que "os portugueses gastam acima das suas possibilidades". Refere-se individualmente a cada um dos portugueses ou aos portugueses como um todo?

É fartar vilanagem

Um dos motivos porque o Governo se tornou fiador de 20 mil milhões de euros de transacções inter-bancárias? Os de hoje, vão estar como gestores de Banca amanhã, pois os de ontem, já estão por lá hoje.

Correcto?
Se pensa que não, vejamos:


PARA QUE A PLEBE SAIBA:

Fernando Nogueira:
Antes -Ministro da Presidência, Justiça e Defesa
Agora - Presidente do BCP Angola

José de Oliveira e Costa:
Antes -Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais
Agora -Presidente do Banco Português de Negócios (BPN)

Rui Machete:
Antes - Ministro dos Assuntos Sociais
Agora - Presidente do Conselho Superior do BPN; Presidente do Conselho Executivo da FLAD

Armando Vara:
Antes - Ministro adjunto do Primeiro Ministro
Agora - Vice-Presidente do BCP

Paulo Teixeira Pinto:
Antes - Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros
Agora - Presidente do BCP (Ex. - Depois de 3 anos de 'trabalho', Saiu com 10 milhões de indemnização !!! e mais 35.000€ x 15 meses por ano até morrer...)

António Vitorino:
Antes -Ministro da Presidência e da Defesa
Agora -Vice-Presidente da PT Internacional; Presidente da Assembleia Geral do Santander Totta - (e ainda umas 'patacas' como comentador RTP)

Celeste Cardona:
Antes - Ministra da Justiça
Agora - Vogal do CA da CGD

José Silveira Godinho:
Antes - Secretário de Estado das Finanças
Agora - Administrador do BES

João de Deus Pinheiro:
Antes - Ministro da Educação e Negócios Estrangeiros
Agora - Vogal do CA do Banco Privado Português.

Elias da Costa:
Antes - Secretário de Estado da Construção e Habitação
Agora - Vogal do CA do BES

Ferreira do Amaral:
Antes - Ministro das Obras Públicas (que entregou todas as pontes a jusante de Vila Franca de Xira à Lusoponte)
Agora - Presidente da Lusoponte, com quem se tem de renegociar o contrato

etc...

O que é isto?
Cunha?
Gamanço?

- Não, não é a América Latina, nem Angola. É Portugal no seu esplendor.


...e depois até querem que se declarem as prendas de casamento e o seu valor.

sexta-feira, novembro 28, 2008

A democracia é uma chatice...

Governo justifica norma sobre avaliação de professores no OE [Orçamento de Estado] para ultrapassar “formalismo inútil”


Alguém é capaz de explicar ao Ministério da Educação e, já agora, a todo o Governo para que serve o formalismo legal em democracia.

sábado, novembro 22, 2008

Capelas e capelinhas...

Está a decorrer um grande exercício de protecção civil simulando um sismo no Vale do Tejo.
Até aqui tudo bem.
Só que um dos maiores problemas verificados - e que se espera sirva de lição - reside nas guerras de capelas, capelinhas e chafaricas e que eufemisticamente se noticia, entre outros sítios, aqui e aqui.

Porque hoje é Sábado

segunda-feira, novembro 17, 2008

Associação Criminosa


Há muito que penso serem as claques organizadas verdadeiros coitos de malfeitores, agora parece que se confirma.

domingo, novembro 16, 2008

O estado da educação

Gostaria de poder estar enganado quando há uns anos atrás vaticinei que o rumo que as escolas e os professores estavam a adoptar não era o melhor. Isto quando verifiquei que a maior parte dos filhos de professores estavam em escolas particulares e quando constatei que o grau de exigência era cada vez menor nas escolas públicas.
Diga-se de passagem que tenho uma ideia idílica (de que gosto muito) e tento pôr em prática que é fazer aos outros aquilo que quero para mim e para os meus filhos. Por conseguinte, identifiquei vários problemas que comuniquei aos meus pares (sim, também fui professor do secundário), ao respectivo grupo e ao conselho directivo (que agora tem outro nome). Nessa altura alardeei e denunciei o mau comportamento dos alunos; o facto de se atribuírem turmas-problema (que ninguém queria e muito menos escolhia) a professores acabadinhos de chegar das universidades; a falta de responsabilidade e de impunidade dos alunos; a falta de solidariedade entre os professores (ninguém quer problemas, nem causar ondas)…
Isto foi o suficiente para que me considerassem mau profissional e as represálias não se fizeram esperar. Cheguei à conclusão que se calhar quem estava mal era mesmo eu e, obviamente, quem está mal muda-se. Contudo, não posso deixar de ter um certo ressentimento quando se fala de professores, de escolas e de educação.
Quem faz as escolas são principalmente os professores, mas nos últimos anos, se não décadas, existem pessoas que são eleitas para os conselhos da escola cuja única ambição é o poder. O estado da educação e da preparação dos alunos é algo de completamente acessório, o que interessa é a sua progressão na carreira e a capacidade de dominar e controlar todos os outros professores que se digladiam pela benesse que é poderem estar próximo destes professores-sol. São estes que são chamados para o ministério e à medida que sobem na cadeia hierárquica o autismo cresce exponencialmente.
Agora estes professores, que se consideram acima dos professores comuns, também foram afectados nas suas carreiras, nas suas reformas, nos seus trabalhos, nos direitos que tomavam como adquiridos. Bom, então há que agir pois a coisa diz directamente respeito a todos.
Quando os mais fracos ou os menos “poderosos” estavam a ser lixados, isso não lhes dizia respeito, agora… É como o poema, só que eles são muitos e sou eu que me estou lixando para eles.
Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu.
Como não sou judeu, não me incomodei.
No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista.
Como não sou comunista, não me incomodei .
No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico.
Como não sou católico, não me incomodei.
No quarto dia, vieram e me levaram;
já não havia mais ninguém para reclamar...
Martin Niemöller, 1933 - símbolo da resistência ao Nazismo.

sábado, novembro 15, 2008

Depois do Blogue, o filme

... Fizeram um filme sobre nós!
Há algum voluntário para deixar aqui crítica ou terei de ser eu a fazê-la?!




(Nota: só publicito o filme por causa da Soraia.
Será que desta vez também nos brinda com todos os seus atributos fís... artísticos?)

Porque hoje é dia de Aniversário

Bom aniversário ao Lancelot du Swamp.
A fatia que falta fui eu que comi, acho irresistível...

Porque hoje é Sábado

sexta-feira, novembro 14, 2008

Pensamento da semana


"If the global crisis continues, by the end of the year, only two Banks will be operational, the Blood Bank and the Sperm Bank.
Logically those two banks will merge and they will be called The Bloody Fucking Bank!"

domingo, novembro 09, 2008

Sermão Dominical

Não cobiçar a mulher próxima...

... se mulher estiver próxima (e não for tão bem acabada)!

sexta-feira, novembro 07, 2008

Querem melhor argumento a favor da regionalização? (2)

Eis a minha primeira escolha para a chefia da Região Autónoma do Norte!...*






* A designação oficial ainda não está escolhida, Região Autónoma; Região Administrativa, Especial ou não; Couto ou Senhorio, enfim as possibilidades são imensas.

Querem melhor argumento a favor da regionalização?


... agora imagine-se quando todo o país estiver retalhado e entregue a meia dúzia de senhores feudais e seus apaniguados.

segunda-feira, novembro 03, 2008

Depois da bebedeira a ressaca...

... e esta pode durar séculos.

Quem possuir as inscrições de 100$000 réis n.os 10299 a 10302, e de 500$000 réis n.o 5848 está ainda recebendo uma parte da tença de juro de 400$000 réis anuais concedida a D. Vasco da Gama, pelo padrão com data de 20 de Fevereiro de 1504, e não é este o padrão mais antigo que tem descendência legítima na actual dívida pública.*
(PORTUGAL. JUNTA DO CRÉDITO PÚBLICO, Collecção de Leis da Divida Publica Portugueza, 1.ª parte, Dívida Interna, Lisboa, Imprensa Nacional, 1883, p. 13).
Há boas e más dívidas.
Pedir um empréstimo para investir num qualquer negócio é bom, tal como também é bom pedir emprestado para comprar uma casa quando se quer constituir uma família. Tudo correndo bem, a médio ou longo prazo tem-se um bom rendimento; garante-se um capital para a descendência ou tem-se um aforro para tempos difíceis. Já o recurso ao crédito para ir gozar umas férias – desculpe-me quem o faz – é uma idiotice completa.
A ressaca que estamos a iniciar vai durar muito tempo. Aliás, bem vistas as coisas, estamos a ressacar desde pouco depois do regresso de Vasco da Gama da Índia. Vivemos ao longo dos séculos à custa de muito crédito e de pouco investimento. Quando temos dinheiro esbanjamo-lo em faz-de-conta-que-somos-os-maiores; quando já não o temos valha-nos-a-virgem-maria-é-a-crise-internacional e de bebedeira em ressaca cá vamos nós – contra toda a lógica – sobrevivendo, uns muito melhor do que outros, mas enfim, é a lei da natureza.
Vem isto a propósito de o País ter de novamente se endividar para garantir a nossa banca. É mais uma bebedeira para os vindouros pagarem ou, para variar, temos finalmente um investimento?

* Constou-me que há poucos anos ainda se contabilizavam no Banco de Portugal juros de empréstimos contraídos pelo Marquês de Pombal.

domingo, novembro 02, 2008

sábado, novembro 01, 2008

Ser professor nos dias de hoje...

Faço projectos, planos, planificações;
Sou membro de assembleias, conselhos, reuniões;
Escrevo actas, relatórios e relações;
Faço inventários, requerimentos e requisições;
Escrevo actas, faço contactos e comunicações;
Consulto ordens de serviço, circulares, normativos e legislações;
Preencho impressos, grelhas, fichas e observações;
Faço regimentos, regulamentos, projectos, planos, planificações;
Faço cópias de tudo, dossiers, arquivos e encadernações;
Participo em actividades, eventos, festividades e acções;
Faço balanços, balancetes e tiro conclusões;
Apresento, relato, critico e envolvo-me em auto-avaliações;
Defino estratégias, critérios, objectivos e consecuções;
Leio, corrijo, aprovo, releio múltiplas redacções;
Informo-me, investigo, estudo, frequento formações;
Redijo ordens, participações e autorizações;
Lavro actas, escrevo, participo em reuniões;
E mais actas, planos, projectos e avaliações;
E reuniões e reuniões e mais reuniões!...

E depois ouço,
alunos, pais, coordenadores, directores, inspectores,
observadores, secretários de estado, a ministra
e, como se não bastasse, outros professores,
e a ministra!...

Elaboro, verifico, analiso, avalio, aprovo;
Assino, rubrico, sumario, sintetizo, informo;
Averiguo, estudo, consulto, concluo,
Coisas curriculares, disciplinares, departamentais,
Educativas, pedagógicas, comportamentais,
De comunidade, de grupo, de turma, individuais,
Particulares, sigilosas, públicas, gerais,
Internas, externas, locais, nacionais,
Anuais, mensais, semanais, diárias e ainda querem mais?
- Querem que eu dê aulas!?...

Recebido por correio electrónico sem autor identificado
Entretanto, reconhecida a autoria e respectiva publicação em primeira mão em http://sinistraministra.blogspot.com/2007/11/o-no-professor-do-ano.html

sexta-feira, outubro 31, 2008

O Grande Irmão

Já que fiz o login ao blogue, bem poderia escrever qualquer coisa sobre as declarações intoleráveis de Loureiro dos Santos; também poderia escrever qualquer coisa sobre as últimas incursões de Pedro Arroja acerca do bom papel da Igreja na História, mas em vez disso vou limitar-me a deixar aqui esta parábola sobre o admirável mundo novo em que inconscientemente vamos entrando.
*
Telefonista - Pizza Nut, boa noite!
Cliente - Boa noite, quero encomendar Pizzas...
Telefonista - Pode-me dar o seu NIN?
Cliente - Sim, o meu Número de Identificação Nacional é o 6102 1993 8456 5463 2107.
Telefonista - Obrigada, Sr. Lacerda. O seu endereço é na Avenida Paes de Barros, 19, Apartamento 11, e o número do seu telefone é o 215494236, certo? O telefone do seu escritório na Liberty Seguros, é o 21 5745230 e o seu telemóvel é o 962662566, correcto?
Cliente - Como é que conseguiu todas essas informações?
Telefonista - Porque estamos ligados em rede ao Grande Sistema Central.
Cliente - Ah, sim, é verdade! Quero encomendar duas Pizzas: uma Quatro Queijos e outra Calabresa...
Telefonista - Talvez não seja boa ideia...
Cliente - O quê...?
Telefonista - Consta na sua ficha médica que o senhor sofre de hipertensão e tem a taxa de colesterol muito alta. Além disso, o seu seguro de vida proíbe categoricamente escolhas perigosas para a saúde.
Cliente - Claro! Tem razão! O que é que sugere?
Telefonista - Por que é que não experimenta a nossa Pizza Superlight, com Tofu e Rabanetes? O senhor vai adorar!
Cliente - Como é que sabe que vou adorar?
Telefonista - O senhor consultou a página 'Receitas Gulosas com Soja’ da Biblioteca Municipal, no dia 15 de Janeiro, às 14:27 e permaneceu ligado à rede durante 39 minutos. Daí a minha sugestão...
Cliente - Ok, está bem! Mande-me então duas Pizzas tamanho familiar!
Telefonista - É a escolha certa para o senhor, a sua esposa e os vossos quatro filhos, pode ter a certeza.
Cliente - Quanto é?
Telefonista - São 49,99.
Cliente - Quer o número do meu Cartão de Crédito?
Telefonista - Lamento, mas o senhor vai ter que pagar em dinheiro. O limite do seu Cartão de Crédito foi ultrapassado.
Cliente - Tudo bem. Posso ir ao Multibanco levantar dinheiro antes que chegue a Pizza.
Telefonista - Duvido que consiga. A sua Conta de Depósito à Ordem está com o saldo negativo.
Cliente - Meta-se na sua vida! Mande-me as Pizzas que eu arranjo o dinheiro. Quando é que entregam?
Telefonista - Estamos um pouco atrasados. Serão entregues em 45 minutos. Se estiver com muita pressa pode vir buscá-las, se bem que transportar duas Pizzas na moto, não é lá muito aconselhável. Além de ser perigoso...
Cliente - Mas que história é essa? Como é que sabe que eu vou de moto?
Telefonista - Peço desculpa, mas reparei aqui que não pagou as últimas prestações do carro e ele foi penhorado. Mas a sua moto está paga e então, pensei que fosse utilizá-la.
Cliente – Chiça!...
Telefonista - Gostaria de pedir-lhe para não ser mal educado... Não se esqueça de que já foi condenado em Julho de 2006 por desacato em público a um Agente da Autoridade.
Cliente - (Silêncio).
Telefonista - Mais alguma coisa?
Cliente - Não. É só isso... Não. Espere... Não se esqueça dos 2 litros de Coca-Cola que constam na promoção.
Telefonista - O regulamento da nossa promoção, conforme citado no artigo 095423/12, proíbe a venda de bebidas com açúcar a pessoas diabéticas...
Cliente - Aaaaaaaahhhhhhhh! Vou atirar-me pela janela!
Telefonista - E torcer um pé? O senhor mora no rés-do-chão!...

domingo, outubro 26, 2008

Sermão Dominical



Os prazeres compartilham-se...

domingo, outubro 19, 2008

Sermão dominical


... é em baixo da prateleira, porque em cima não há nada...

sábado, outubro 18, 2008

A verdade do vinho




Orff, Carmina Burana, «In taberna quando sumus»

sexta-feira, outubro 17, 2008

Sopas depois de almoço



Faz hoje uma semana que a Assembleia da República brindou os portugueses com uma das mais absurdas representações teatrais de que há memória. Nesta comédia burlesca o Partido Socialista desempenhou o papel principal, conseguindo dar novo sentido ao nonsense com a imposição duma semidisciplina de voto num sentido para depois do acto fazer uma declaração em sentido contrário.
Enfim pantominices...

PS: Se os Gatos tivessem apresentado esta farsa antes da votação, talvez o resultado tivesse sido outro.

terça-feira, outubro 14, 2008

Esta é uma loira disfarçada

Palin mistakes fans for protesters at rally

Portugal - um retrato social



Serão trabalhadores do estado?
Ou dalguma autarquia (Lisboa, quiçá)?
Ou de algum instituto público (Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, por exemplo)?
Talvez sejam funcionários duma parceria pública-privada?
Ou serão trabalhadores duma empresa privada numa grande obra pública?

sexta-feira, outubro 10, 2008

Portugal a saque?

O signatário da carta em baixo transcrita pediu a sua divulgação, o que faço aqui porque a gravidade das acusações nela constantes obrigam, no mínimo, que sejam conhecidas da opinião pública.
Todos já ouviram ou tomaram conhecimento directo dos desmandos e crimes praticados contra o património nacional. É voz corrente os saques praticados nos sítios arqueológicos (o recente empenho na Namíbia é uma excepção num país que permite a existência de empresas como esta); também é conhecimento mais ou menos alargado o desaparecimento de obras à guarda dos museus, bibliotecas e arquivos; tal como também é sabido que nos leilões de arte e antiguidades são frequentemente transaccionadas obras de origem portuguesa e que as mais significativas destas acabam por sair do país por falta de interesse das entidades públicas em adquiri-las e da incapacidade/ignorância de portugueses as licitarem. E assim se vão vendendo os anéis e as pratas da família para se manter uma aparência de nobreza fidalga num país cada vez mais empobrecido.


Carta aberta ás direcções das associações de arqueólogos portugueses.

(Associação dos Arqueólogos Portugueses e Associação Profissional de Arqueólogos)


Andrée Larsson Afonso, filho e colaborador na actividade profissional do antiquário Vítor Manuel Roma Afonso, estabelecido em Borba e Estremoz, vem por este meio, e a rogo de seu pai solicitar de V. Ex.as se dignem interessar e acompanhar o assunto que abaixo se expõe, relacionado com a actividade histórico-cultural portuguesa, e na área cientifica específica, da competência dos membros das associações profissionais que são presididas por V. Ex.as, o qual presumimos, não ser integralmente do vosso conhecimento, e ter fundado e óbvio interesse a sua divulgação publica.


No final do ano de 2002, o meu pai á semelhança de um conjunto de comerciantes de arte e antiguidades, e coleccionadores, portugueses, foi implicado numa investigação policial que decorreu durante toda a década de noventa, relacionada com a perseguição a uma rede internacional de ladrões ciganos de obras de arte, e demais associados, numa primeira fase italianos, e numa derradeira fase belgas e holandeses, que lhes encomendavam os furtos das peças mais proeminentes, e com interesse e procura internacional, e as encaminhavam nomeadamente para países ricos do norte da Europa; Estados Unidos; Japão; e península arábica.

Como foi acusado injustamente de ser um dos instigadores dessa organização criminosa (1), e como este contexto, e a respectiva cronologia dos factos foram sonegados completamente pelas autoridades judiciárias portuguesas, e sendo do seu desconhecimento, no decurso da sua defesa o meu pai procedeu a várias pesquisas que o foram progressivamente elucidando sobre o que é que estava em causa, para certos interesses instalados, e do que é que se planeou nos bastidores dessa investigação nacional, para que os aspectos mais obscuros das diligências policiais, e da sua reiterada impunidade, não fossem do conhecimento publico.

Paralelamente, e simultaneamente á actividade delituosa de tráfico de antiguidades e arte sacra, e com modus operandis semelhantes, e na mesma esfera dos indivíduos que se encarregavam da distribuição mundial dessas peças, existiu (e ainda se encontra activa) uma outra ramificação especializada que se dedicou livremente ao tráfico de objectos ditos arqueológicos, os quais na sua maioria eram importados de Espanha, e posteriormente distribuídos pelo mercado português, de comerciantes e de coleccionadores do género, que pela sua pequena dimensão, está interligado com o mercado de antiguidades em geral, e é composto pelos mesmos actores.

Inicialmente, por alturas do princípio da década de noventa, os objectos, na sua maioria de cerâmica, e em metal, foram aparecendo esporadicamente nalguns mercados e feiras de velharias e antiguidades, e eram transaccionados por baixos preços, num esforço de promoção e angariação de potenciais interessados na sua continuada aquisição, e sempre na posse de indivíduos de nacionalidade espanhola, desdramatizando a sua proveniência, e simulando grande ignorância sobre a sua idade e época, identificando-se como “garimpeiros” amadores.
Segundo podemos verificar, nessa época a maioria das peças postas á venda eram autênticas, e eram conseguidas certamente por meio de escavações ilegais, muitas vezes com recurso a detectores de metais, e devido ao laxismo típico das entidades culturais portuguesas com respeito a esses assuntos, que imperou até certa altura, e á incúria das autoridades policiais que pelos vistos não lhe deram nenhuma atenção, o comércio foi prosperando, e a quantidade e a qualidade dos objectos oferecidos para venda foi crescendo, e passados alguns anos já se transaccionavam á vista de toda a gente (5), fragmentos de esculturas em pedra ou bronze, e moedas e jóias em ouro e prata.

Podemos dizer que também beneficiamos nessa altura com esse clima de euforia comercial nessa área, pois o meu pai e tio, herdaram inúmeras peças desse género, que se juntaram ao longo dos anos pelo meu avô e bisavô, regentes agrícolas que trabalharam toda a vida no Instituto Geográfico e Cadastral, e que nas campanhas cadastrais por todo o país foram recolhendo objectos, ou lhes eram oferecidos por camponeses, e que nessas épocas acidentalmente se encontravam com grande frequência no terreno, tendo-as alienado em grande parte.

No início de 2002, e por causa de termos anunciado parte dessa colecção no site da Internet que possuíamos (www.antiqueservice.pt), e embora fosse intenso o comércio desse tipo de objectos, designadamente nas melhores feiras de antiguidades, e leiloeiras do país, fomos em exclusividade inspeccionados pela PJ, alegadamente por denuncia dos arqueólogos de serviço, do então IPPAR, que pelo óbvio parece que só visitavam sites na Web, presumindo desconhecerem o comércio que decorria por toda a parte, e acabamos acusados pelo MP de suposto envolvimento no tráfico, e encorajamento da vandalização do património histórico-arqueológico nacional, e espanhol, pois afinal não tinha sido só o IPPAR a estranhar a apresentação de um lote desse tipo de objectos para venda, já que a Guardia Civil também achava que alguns dos objectos pelas suas características (?), só podiam ser de origem espanhola. E só se esperava que se concluíssem as investigações das autoridades policiais portuguesas, para procederem criminalmente contra nós.
A despropositada e desproporcionada acusação foi felizmente objecto de um despacho de não pronuncia, do Juiz de Instrução do TIC de Évora, e arquivada.

Alguns meses depois, soube-se por notícias publicadas em órgãos de informação espanhóis, que a Guardia Civil tinha alegadamente desmantelado, na Andaluzia, e na Estremadura uma alegada rede de saqueadores de sítios arqueológicos, e tinham apreendido milhares de peças aos indivíduos que se dedicavam á dita vandalização, e á sua comercialização. Passado algum tempo surgiram outras informações sobre essa operação, e afinal os indivíduos não andavam a saquear nenhum sítio, só se dedicavam a copiar objectos arqueológicos, com grande perfeição, designadamente eram especialistas em falsificar jóias, e para o efeito até adquiriam ouro de 24 quilates no mercado paralelo africano.
Alguns desses indivíduos acabaram condenados por essa actividade, de contrafacção de objectos pretensamente antigos, e á sua comercialização, e desconhece-se o que aconteceu aos milhares de peças então apreendidas pela Polícia espanhola, que não sendo autenticas só deviam ter sido destruídas, e certamente que hoje não se encontram á guarda de algum museu espanhol.

Há cerca de quatro anos falou-se abertamente no meio antiquário, que um banco português (alegadamente o Banco Português de Negócios), tinha adquirido uma colecção de jóias em ouro, e outras peças “arqueológicas”, no valor de algumas centenas de milhares de contos (milhões de euros), e de propriedade de um suposto coleccionador português, residente em Espanha, e que tinha adquirido esses objectos nesse país enquanto aí viveu. As jóias e demais peças encontravam-se em Portugal, e o banco para as adquirir exigiu ao seu proprietário que obtivesse das autoridades espanholas um certificado de autorização de exportação definitiva, o que alegadamente, e segundo o que se conhece publicamente do assunto, foi conseguido junto de um departamento do património histórico, da Guardia Civil, e com o alegado aval da sua congénere portuguesa da PJ, que inspeccionaram a colecção antes de o negócio se ter realizado.
O banco e o vendedor deviam ter pago ainda, na conclusão do negócio, uma comissão de sessenta mil contos ao intermediário, um conhecido historiador de arte, e arqueólogo português, mas tendo surgido posteriormente algumas dúvidas, pelo menos da autenticidade das jóias, o pagamento foi sendo adiado, e parece que não se vai realizar. O que se sabe é que o caso foi silenciado pela anterior direcção do banco, e responsável pela aquisição, e a promocional exposição permanente desse conjunto de peças, que estava planeada, e até se chegou a iniciar a sua instalação, deixou de ser actual, e se suspeita estar relacionado com as dúvidas, e as dificuldades em serem esclarecidas, sobre a sua autenticidade.

Como é que o estado espanhol podia ter anuído dessa forma, sem oposição, á exportação do seu território de um conjunto de peças preciosas, do seu alegado passado histórico, e, ou importante acervo de outras culturas, caso a sua origem não seja peninsular, país que sempre foi pioneiro na preservação e conservação desse tipo de obras de arte, e demais vestígios arqueológicos, e exemplarmente sempre perseguiu e puniu quem se dedica á sua obtenção e comercialização, proibidas nesse país.
Nem se compreendem os diferentes critérios, de ambos os corpos policiais, com respeito, primeiro, ás alegadas e pretensas, e relativamente insignificantes, infracções cometidas pelo meu pai, que antes de ter posto a sua herança “arqueológica” á venda, ofereceu a possibilidade das peças mais importantes serem adquiridos pelo Museu Nacional de Arqueologia (o que foi recusado, entre outros motivos por escassez de verbas, ou por estupefacção, e que posteriormente até o IPPAR lhe permitiu exportar a peça mais valiosa, uma cabeça em bronze, de tamanho natural, de Anton, favorito do imperador Adriano), e posteriormente, á permissividade consentida com respeito á dimensão, e á importância dessa alegada importação, e transacção, caso desconhecessem que as peças não eram autenticas. Ou mesmo assim!
Pensa-se que o banco não sabe como resolver a presumível vigarice em que alegadamente caiu, nem deseja por óbvios motivos que a situação seja conhecida, nomeadamente pelos accionistas.

Essa “colecção” foi oferecida em primeiro lugar ao maior coleccionador português desse tipo de objectos, o senhor João Estrada, de Abrantes, mas o negócio gorou-se devido aos valores pretendidos pelo seu possuidor, e que foram considerados exorbitantes.
No entanto na mesma esfera de indivíduos espanhóis e portugueses dedicados ao mesmo tipo de comércio, na qual se insere o assumido proprietário da colecção vendida ao banco, um outro suposto coleccionador português aparece com outra colecção de jóias em ouro, alegadamente de períodos pré-históricos, completamente desconhecida do meio, e também com origem espanhola, mas pretensamente com proveniência em remotos achados no Baixo Alentejo, para se contornar a inevitável exigência da autorização de exportação definitiva, e que também é oferecida para aquisição ao senhor João Estrada pelo valor de cerca de oitenta mil contos (quatrocentos mil euros).
Negócio que estando bem encaminhado, foi na ocasião, por exigência do comprador e por precaução, inspeccionada pelos inspectores da 4ª Secção da Directoria de Lisboa, no sentido de se verificar a sua legalidade, e para se comprovar que no seu seio não existiam peças subtraídas de museus.
Como nada de irregular foi encontrado pela PJ (?), o negócio realizou-se e esse conjunto de jóias pré-históricas passou a ser uma das partes mais “interessantes” desse espólio, e óbvio orgulho do seu actual detentor.

O senhor Estrada antes de se iniciar a adquirir, e a coleccionar objectos antigos de toda a espécie, o que fez intensamente a partir de 1995, foi desde a adolescência um apaixonado por numismática, possuindo também a quarta maior, e mais valiosa colecção nacional de moedas de todos os períodos da nacionalidade, e que se estende para os períodos das culturas clássicas, grega, etrusca, fenícia, romana, cartaginesa, etc..
Tendo sido ao longo destes últimos anos, pela sua fortuna, e proeminência no meio coleccionista e antiquário, contactado e assediado intensamente, para além de reputados e honestos comerciantes, por todo o tipo de pessoas estranhas ao meio, e que lhe propuseram a aquisição do mais variado conjunto de objectos antigos e obras de arte, na sua maioria os considerados “arqueológicos”, e que naturalmente devido á sua boa-fé e critérios pouco cuidadosos, têm as mais variadas procedências, e com as mais que evidentes possibilidades, de alguns serem de autenticidade, e legalidade suspeita.
O que já se verificou, pois embora a Polícia portuguesa não tenha achado estranha a continuada aquisição desse espólio arqueológico, importado na sua maioria, e categoricamente tenham garantido que nada de ilícito foi encontrado nessa última aquisição de jóias “pré-históricas”, apreenderam na altura dessa inspecção ao senhor Estrada, várias esculturas de arte sacra, alegadamente furtadas.

O conhecido arqueólogo, intermediário no negócio com o banco, que foi também um frequente vendedor de peças antigas ao coleccionador João Estrada, e posteriormente e durante algum tempo seu conservador, foi no âmbito da investigação á rede de ladrões de arte sacra, inspeccionado pela PJ, e cautelarmente apreenderam-lhe na sua residência, entre outros objectos de arte sacra, que detinha, e que ali se encontravam para examinação e avaliação, e propriedade de vários dos seus clientes, uma pequena escultura de divindade feminina pré-histórica, tipo “Deusa Mãe”, em marfim fossilizado, e que lhe tinha sido entregue para venda á consignação, por um cigano de Évora.
Essa peça não obstante as várias tentativas do seu então possuidor, para que lha devolvessem, nunca lhe foi restituída pela PJ, tendo-lhe sido dado várias versões do seu paradeiro – umas que tinha sido transferida para outros departamentos, e que ainda se encontrava a ser investigada noutros processos, outras, que se tinha destruído por acidente, mas quando se concluiu o inquérito, foi obrigado a indemnizar o cigano, que a reclamou. Cigano que hoje se sabe ser um dos alegados principais escoadores de mercadoria ilícita, dessa rede de ladrões e traficantes de antiguidades e obras de arte sacra.

Mas estranhamente, e embora os inspectores da Judiciária alegadamente não saibam da escultura de marfim apreendida, esta acabou por ser vendida ao coleccionador João Estrada, por gente desconhecida, e encontra-se na actualidade entre os milhares de objectos dessa índole, que estão incluídos no protocolo assumido com a Câmara Municipal de Abrantes, e com o Ministério da Cultura, para a instalação das suas colecções, num futuro museu nessa cidade, para o qual os edifícios arruinados do castelo de Abrantes serão restaurados.

Resta por agora referir, que o senhor Estrada também foi nosso cliente, e adquiriu-nos inúmeras obras de arte, e peças da colecção dos meus avôs, e na actualidade detém provisoriamente em depósito, uma cabeça em mármore ático, de um kuroi grego de época arcaica, que nos pertence, e com respeito ás actividades da anteriormente mencionada organização internacional de ladrões do património artístico português e europeu, foi objecto recentemente de uma carta do meu pai, onde lhe esclareceu que também adquiriu em G ..., e possui de boa-fé, uma pequena escultura em bronze representando Dionísios, presumivelmente de época helenística, que foi roubada do nosso estabelecimento de Estremoz, pelo cabecilha italiano dessa rede, e uma escultura em madeira de um S. Miguel Arcanjo, furtada da Ermida de Sta. Luzia, em Pias, propriedade da Diocese de Beja.

Não obstante estes factos terem sido transmitidos e denunciados á mais de seis meses ao Senhor Procurador-Geral da República, e a diversos ofendidos, proprietários dos inúmeros objectos furtados, e a outros lesados, ainda não foram realizadas quaisquer diligências para se apurar a sua veracidade. Factos que posteriormente foram participados também aos mais altos responsáveis do Ministério da Cultura, e á Câmara Municipal de Abrantes, com o intuito de acautelarmos a legítima propriedade das nossas peças, e sobre as quais não fomos até á data merecedores de qualquer resposta.
Organismos sob risco de serem comprometidos com os eventuais problemas que inevitavelmente surgirão, mais tarde ou mais cedo, com a autenticidade, e a legalidade de algumas das peças que farão parte desse museu, que surpreendentemente (ou talvez não) se irá chamar Museu Ibérico de Arqueologia e Arte (!), ou sobre as reacções das autoridades espanholas, quando estes factos sejam, ao contrário do que costuma acontecer no nosso país, divulgados publicamente.
Por essas razões, e em desespero de causa, e considerando que as associações dos arqueólogos portugueses, pela sua especificidade são algumas das principais entidades zeladoras do património histórico nacional, e mundial, e deontologicamente, e cientificamente seguidoras das regras inerentes ao desempenho das funções profissionais dos arqueólogos, que não se prestam á ocultação de alegados escândalos culturais, pelo menos na área onde intervêm activamente, serve esta carta aberta, para colocarmos as suas direcções perante a questão:

- Como é que é possível que estes factos com tal alegada gravidade, e com tão grande visibilidade, e reiteradamente praticados, ao longo de vários anos, não tenham merecido a atenção dos arqueólogos organizados, e a sua reacção e repúdio?

Quem é que tem ganho com estas grandiosas transacções, conhecidas dos corpos policiais, responsáveis pela prevenção e perseguição deste tipo de actividades alegadamente delituosas?
E quem é está interessado em sonegar estes assuntos do conhecimento público, e mantê-los em absoluto segredo, quando estão em causa os prejuízos morais e económicos incalculáveis, que afectaram centenas de individualidades e entidades, em Portugal?
E causaram um irreparável dano, e são a principal razão da crise de confiança que impera actualmente no mercado de obras de arte e antiguidades português, e consequente empobrecimento do meio cultural nacional!

Para melhor compreensão do que aqui se alega, e quando antecipadamente se enviaram cópias desta carta ás respectivas direcções das associações destinatárias, juntaram-se em anexo cópias de alguns documentos, relacionados com estes casos, na expectativa de que esse expediente possa contribuir para que casos semelhantes não se repitam, e continuem a ser ocultados do conhecimento publico, e que os aqui focados, pela sua gravidade, se aguarda a necessária atribuição de responsabilidades, nessas práticas ilegais de falsificação de objectos antigos, e furto e contrabando de obras de arte, cometidos por grupos especializados, e na respectiva omissão de investigação desses actos, por quem está instituído nessas funções, e tem a obrigação de a realizar.

Andrée Larsson Afonso
Rua Arco de Santarém, 1
7100 Estremoz



(1) - A actividade desta rede internacional, que operou no nosso país durante mais de uma década, entre o início dos anos 90, e até ao final de 2003, e roubou e furtou mais de duas centenas de edifícios históricos em Portugal, entre solares e igrejas, é sonegada do processo onde implicaram o meu pai, sendo substituida pela PJ, e pelo MP que segue a tese da Policia, pela pretensa actividade de um pequeno grupo de supostos toxico dependentes ciganos, residentes em Évora, que só realizaram cerca de seis assaltos, três em Évora e três em Cuba, entre o mês de Outubro de 2002, e o mês de Janeiro de 2003, por instigação do meu pai, e de outro antiquário.
Com esta manobra, e com a escandalosa farsa, que foi o julgamento de Évora, conseguem arquivar dezenas de outros processos relativos, a dezenas de assaltos a quintas e igrejas, nos distritos de Castelo Branco; Portalegre; Évora; e Beja, de onde foram furtadas milhares de obras de arte e antiguidades. Sabendo-se no entanto, que só de propriedade da Diocese de Beja, foram recuperados na posse de misteriosos ladrões, e de misteriosos detentores, mais de um milhar de peças.
Nem mais uma acusação foi produzida pelo MP, nem mais um julgamento foi realizado nessa parte do país, com respeito á colossal actividade delituosa dessa rede. Como é que três Dioceses poderosas, e centenas de bem informados e abastados proprietários, de solares e quintas apalaçadas, da Beira e do Alentejo, aceitaram sem oposição, esta solução, e como é que este embuste nunca foi objecto da curiosidade dos meios de informação?

(5) - Nomeadamente, aos Domingos, nas arcadas do Terreiro do Paço em Lisboa, mesmo á porta da sede da Direcção-Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais.

Editado pela última vez por Andrée Larsson Afonso em Sáb Out 04, 2008 8:31 pm, num total de 4 vezes

sábado, outubro 04, 2008

Pensamento da semana

Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas...
Guerra Junqueiro

Porque hoje é Sábado



Verdi, Il Trovatore, Coro dos Ferreiros

quarta-feira, setembro 24, 2008

Casamento entre pessoas do mesmo sexo

Defende um alto dirigente do PSD a realização dum referendo à possibilidade do casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Defendo os referendos por princípio, aliás defendi o referendo para o aborto e para o último tratado da União Europeia e quero a realização dum novo referendo para a regionalização quando os políticos decidirem que é altura de a tentar de novo.
Não posso, nem aceito, a realização dum referendo para o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
A razão é simples: não sendo a homossexualidade uma opção individual - é-se, e pronto! - e vigorando o princípio moral e legal da igualdade dos indivíduos perante a lei, não se admitindo à mesma luz a discriminação dos indivíduos com base na raça, religião, opinião, deficiência física ou mental, não é tolerável a descriminação dos homossexuais no acesso ao casamento pleno com todos os direitos e deveres que disso advêm.

domingo, setembro 21, 2008

Sermão Dominical


(Clique para ampliar)



Este anúncio não é patrocinado pelo MAI nem, muito menos, pelo PCP.
(mas se qualquer uma destas entidades o quiser fazer, não nos faremos rogados)

sábado, setembro 20, 2008

segunda-feira, setembro 15, 2008

Richard Wright


O mundo está hoje mais pobre:
Está mais pobre porque morreu mais um Pink Floyd.

Richard Wright, I wish you were here!

So, so you think you can tell
Heaven from Hell,
Blue skies from pain.
Can you tell a green field
From a cold steel rail?
A smile from a veil?
Do you think you can tell?

Did they get you to trade
Your heroes for ghosts?
Hot ashes for trees?
Hot air for a cool breeze?
Cold comfort for change?
Did you exchange
A walk on part in the war,
For a lead role in a cage?

How I wish, how I wish you were here.
We're just two lost souls
Swimming in a fish bowl,
Year after year,
Running over the same old ground.
What have we found
The same old fears.
Wish you were here.

domingo, setembro 14, 2008

Gostei de Ler








Kaos, Quem não chora não mama
Valupi, A Boceta de Palin
Palmira Silva, O Perímetro da Ignorância

Sermão Dominical: Campanhas

Não sou norte-americano mas sou um cidadão do mundo, como tal sou afectado por tudo o que o governo dos Estados Unidos da América fazem ou deixam de fazer. Ainda assim posso dar a minha contribuição para a elevação do debate em curso sobre o que é melhor para os americanos e para os outros, por isso aqui vai de minha justiça:


Força Palin!






Ups!... afinal isto é sobre católicos!
... não faz mal, visto até ao fim serve na mesma!

segunda-feira, setembro 08, 2008

Playmate do mês

Sarah Palin
Tal como as verdadeiras, também esta passou pelo Photoshop e, mais do que as outras, arrisca-se seriamente a ser presença assídua nos meus pesadelos húmidos.

sexta-feira, setembro 05, 2008

E esta hein?

Quantos são?

Decorre a recolha de assinaturas numa petição à Assembleia da República para se proceder à trasladação para Portugal dos soldados mortos durante a guerra em África.
Não a subscrevendo por este processo já se ter iniciado, ocorre-me lembrar que os soldados portugueses mortos nas Províncias Ultramarinas - ou no que se lhe quiser chamar - entre 1961 e 1975 foram os últimos de um incontável e desconhecido rol que teve o seu início em 1415.
As famílias destes últimos combatentes agradecerão o regresso dos restos dos seus, mas a sociedade não pode esquecer todos os que ao longo dos séculos pereceram ao serviço duma causa imperial, servidora de todos os interesses menos os dos que nelas morreram.

domingo, agosto 31, 2008

Antecipando o fim da festa do Avante...




... dedico este boneco a todos os nostálgicos dos velhos tempos da DDR e seus Senhores.

(Aqui deixo o agradecimento à Autora do boneco por deixar-se roubar desta maneira)

sábado, agosto 30, 2008

Leituras


  • Joaquim, Sexo Livre [Um post absurdo, chamar-lhe-ia eu]

quinta-feira, agosto 21, 2008

Casado mas não cego






Mas quando é que as gajas irão compreender que lá por um homem se ter casado com elas não se tornou de repente cego?

terça-feira, agosto 19, 2008

A sorte coube agora ao Piolho

As almas sensíveis implicaram agora com O Piolho da Solum e puseram-lhe uma tabuleta à porta. Mal sabem elas que agora é que as visitas vão disparar à conta dos que procuram emoções tórridas.
... tá na altura vender publicidade no espaço!...

terça-feira, agosto 12, 2008

Cenas de Verão num País Civilizado




(Imagens tomadas de empréstimo sem a devida licença ao Flávio Josefo)

segunda-feira, agosto 11, 2008

Sob um céu de chumbo...

Quinta do Lago, West Coast of Europe, 11 de Agosto de 2008:

Obras no areal sem pré-aviso distraem os veraneantes.


Três operários dão conta da tarefa...


... enquanto bué d’engenheiros, encarregados e projectistas, a uma distância segura, perguntam-se como conseguiram fazer tanta merda precisamente no mês de Agosto, quando um ano tem 12 meses.

domingo, agosto 10, 2008

Starship Troopers, ou como serão os nossos fuzileiros

Caiu o último reduto masculino!
As mulheres já podem servir nos fuzileiros; o mais antigo corpo de combate português abriu as camaratas às mulheres e em breve aquela irmandade de homens passará a uma irmandade de homens - pois é, o colectivo continua a ser masculino.
Ainda me lembro – eu Matusalém me confesso – dos primeiros efectivos femininos nas Forças Armadas. Naqueles tempos longínquos, cadetes da Força Aérea foram acampar na Tapada de Mafra, entre eles havia umas gajas a quem o comandante da EPI disponibilizou o seu quarto pessoal no Calhau para essas poderem diariamente tratar da sua higiene pessoal.
Os camaradas de armas podiam tresandar de porco; podiam fazer a barba em meio cantil de água se a não quisessem fazer a seco; cagavam nas latrinas que cavavam – quando as havia – e mijavam atrás dos chaparros, mas as colegas não: tinham direito a chuveiro e bidé!...

Mas é evidente que tal como a Constituição da República postula, não pode haver discriminação de género – só é pena não se ter ainda reparado que também postula a não discriminação com base na orientação sexual – por isso as mulheres podem e devem servir nas Forças Armadas – mais uma vez também é pena que ninguém disso se lembrasse no tempo em que havia SMO e hoje não haveria tantas mulheres em melhor situação profissional que homens da mesma idade – mas que o façam exactamente como os homens sem excepções nem privilégios – como os daqueles dias chatos do mês.
Posto isto, nada a objectar.

quarta-feira, agosto 06, 2008

Três já lá vão e vem aí o quarto



Pode parecer que nos estamos a tornar uma filial do YouTube e que estamos a perder o gás; que somos lentos a reagir como se a idade começasse a pesar-nos nas costas.
E até é verdade. Três anos na blogosfera pesam e a regularidade é difícil de manter quando inúmeros e inadiáveis compromissos se sobrepõem a tudo o resto.
Seja como for, vamos continuar por aqui a fazer sem grande esforço com que este 4.º ano que agora iniciamos seja ainda pior que os três já deixados para trás.

segunda-feira, agosto 04, 2008

Se o ridículo matasse...

... não tinha regressado nenhum soldado português do Afeganistão.
E já agora, na mesma linha do título desta posta, repare-se no janota de casaco camuflado e calças de tyrilene...

Felizmente não mata e por isso bem pode o comandante português gabar-se ter cumprido a sua missão por ter trazido de volta todos os homens que levou. Por tão magnífico feito deve requerer de imediato a satisfação dos seus serviços pedindo o hábito de Cristo para ser servido com uma comendazita prá despesa.
É que bem orgulhoso pode estar. Os seus 60 bravos soldados* para além de conseguirem voltar vivos, ainda arranjaram maneira de não perder o equipamento. A Nação orgulha-se e o Erário da República também agradece.

*60 homens! O equivalente a dois pelotões de atiradores comandados por um tenente-coronel, oficial superior habilitado a comandar, no mínimo, um batalhão (c. 600 homens).

sexta-feira, agosto 01, 2008

Dançando ao sol...





... ou demasiado sol na cabeça?

segunda-feira, julho 28, 2008

Jumentos

O Jumento foi assinalado pelo Blogger como um local contendo material objectável e por isso a ser lido por conta e risco do visitante.
O mecanismo que possibilita tal facto é bastante estúpido e, quando muito, é produto de (pouca) inteligência artificial que, como tal, é facilmente manipulável por quaisquer aspirantes a inquisidor, a mentecapto ou a comendador. Contudo, este facto não deve servir de desculpa para tolerar que um bácoro ou uma récua possam impunemente fazer merda só porque lhe pica a mosca.
Da minha parte continuarei a visitar o palheiro independentemente dos jumentos que se apascentam na blogosfera.

domingo, julho 27, 2008

sábado, julho 26, 2008

sexta-feira, julho 25, 2008

Conversa de Político

Há uns meses ouvi José Sócrates a dizer mais umas barbaridades numa televisão, mas, por há já muito tempo ter a boa faculdade de me distrair assim que um político começa a falar - é uma espécie de reflexo condicionado -, acabei por ignorar o que disse. Só que desta vez o que esqueci de imediato veio depois a assombrar-me durante dias e o pior é que já não me conseguia lembrar entre que historietas futebolísticas essas declarações calharam, logo era-me impossível determinar em que estação televisiva as ouvira e assim confirmar se o que ouvira fôra de facto bem ouvido.
E parece que sim. Valeu-me o Google e o Insurgente para confirmarem que não estou a alucinar. Concluindo, o nosso infeliz Primeiro-Ministro não sabe o que é o mal-amanhado princípio do utilizador-pagador nem como ele funciona, ou se calhar até sabe mas está para com os portugueses como o veado aqui ao lado.

sábado, julho 19, 2008

Porque hoje é sábado


Edvard Grieg, "In the hall of the mountain king", Peer Gynt, pela Orquestra de Jerusalém.

quarta-feira, julho 16, 2008

Gostei de Ler







* Usualmente nesta rubrica não manifesto a minha concordância ou discordância com os textos referenciados, abro uma excepção para este: está todo errado.

segunda-feira, julho 14, 2008

1506?...

A fuga das famílias ciganas do bairro da Quinta da Fonte temendo pelas suas vidas é um facto que não pode ser deixado impune da mesma forma leviana como a que presidiu à criação e manutenção deste e doutros bairros semelhantes.

É inadmissível que num estado de direito democrático regido pela Lei alguém seja forçado a deixar a sua casa porque é vítima de ameaças.

Isto faz lembrar o pior que a História da Europa tem para mostrar ao Mundo: as perseguições étnico-religiosas!... e não vi nenhuma das luminárias que após a divulgação das imagens dos desacatos apareceram a lançar postas de pescada - ministro incluído - a dar a cara depois da fuga das famílias para lamentar, que fosse, o sucedido.

Estão à espera do quê? Que o indianos comecem a perseguir os chineses? Que os brancos se atirem aos pretos?

sábado, julho 12, 2008

Porque hoje é Sábado



O Coro da Primavera em segunda versão pois a da Tuna Académica de Lisboa deixou de estar disponível (adenda de 15 de Julho)

sexta-feira, julho 11, 2008

GNR - Formação para a cidadania



Se mais razões não houvesse, esta bastaria para demonstrar a necessidade de pôr fim no militarismo da Guarda Nacional Republicana.

segunda-feira, julho 07, 2008

Como não há duas sem três...


... pelo terceiro dia consecutivo deflagra o terceiro incêndio na mesma área da Serra de Sintra...

Porque já foi Sábado



Manuel Cardoso, um compositor de música polifónica da Escola de Évora.

domingo, julho 06, 2008

Fogo com lugar e hora marcada


Depois de ontem a Serra de Sintra ser vítima de mais um incêndio numa área de interesse imobiliário, eis que hoje, à mesma hora e na mesma área, outro incêndio ocorre.