terça-feira, outubro 26, 2010

Pensameno de 1931

Pensamento de 1931!




Este pensamento é antigo, mas muito apropriado no momento político em que vivemos atualmente. É curtinho de ler!

O pensamento abaixo foi ESCRITO POR ADRIAN ROGERS NO ANO DE 1931 !!!

"É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade.
Por cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber.
O governo não pode dar para alguém aquilo que não tira de outro alguém.
Quando metade da população entende a idéia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao
começo do fim de uma nação. É impossível multiplicar riqueza dividindo-a."



Adrian Rogers, 1931

terça-feira, maio 04, 2010

Por que nunca votarei em Manuel Alegre...

... Porque não quero ser processado!

E faço notar que não me revejo nas posições trogloditas de Brandão Ferreira e similares!

sexta-feira, abril 30, 2010

Um belo vídeo musical e ao mesmo tempo cultural, com uma pitada de humor...


segunda-feira, abril 26, 2010

Publicidade


Algures nos arredores de Lisboa deparei-me com estes dois cartazes.

No mínimo surpreendente e com um certo tom de ironia.

Onde está a boa e a má publicidade? Ou será ao contrário? Raios, fiquei confuso...

domingo, abril 25, 2010

Nova tecnologia revolucionária

Confesso que sou adepto das novas tecnologias. Todavia, esta é sem dúvida uma das mais apaixonantes de todas. Nunca a dispensarei!

sexta-feira, abril 23, 2010

domingo, fevereiro 21, 2010

Noites de um Verão qualquer

Aqui fica este espectacular vídeo dos brasileiros Skank, uma verdadeira obra de arte, para lembrar-nos que o Verão nunca mais chega...


terça-feira, fevereiro 09, 2010

Afinal bem podemos esbanjar

Candeeiro funcional em vias de ser substituído por outro candeeiro funcional, tudo pago pelos nossos impostos
A travessa entre a Alameda da Universidade e a Faculdade de Ciências está em intervenção desde antes das eleições autárquicas e onde cada sub-empreiteiro consegue destruir o trabalho do que o antecedeu.

O País está de tanga, assim nos é dito todos os dias - e bem o sentimos!
Mas quando muda um director-geral, ou o presidente dum instituto público, renova-se de imediato a frota automóvel, o parque informático, toda a decoração dos gabinetes e toda a imagem institucional da chafarica. E o que antes existia acaba por desaparecer sem se saber como. Com um pouco de sorte, umas poucas centenas de milhares de euros (dos contribuintes) bastam para fazer a festa.
Com os espaços públicos passa-se o mesmo. Ou temos anos e anos de abandono, sem qualquer manutenção ou reparação, até as coisas chegarem à lástima total e, então, vá de gastar fortunas para requalificar (eufemismo significando obras faraónicas ou, em alternativa, os inqualificáveis monos do estilo Ars Municipalis), ou então, no bom exemplo da direcção-geral e completamente inexplicável à luz da lógica economicista em que nos obrigam a viver, são todas aquelas situações em que o novo, ou ainda operacional, é deitado fora para ser substituído por outro que faz exactamente o mesmo.
Entretanto necessidades mais prementes ficam por satisfazer, talvez porque inglês não vê ou os compadres não se dedicam a esse ramo de negócio.

quarta-feira, janeiro 27, 2010

O Holocausto não existiu



Marcos nas calçadas de Hamburgo referenciando os judeus levados de cada rua pelos nazis.

sexta-feira, janeiro 22, 2010

Última actualização do dicionário de língua portuguesa - novas entradas:

Se a língua está em evolução permanente porque não institucionalizá-la, com acordos ortográficos, por exemplo?

Testículo: Texto pequeno
Abismado: Sujeito que caiu de um abismo
Pressupor: Colocar preço em alguma coisa
Biscoito: Fazer sexo duas vezes
Padrão: Padre muito alto
Estouro: Boi que sofreu operação de mudança de sexo
Democracia: Sistema de governo do inferno
Barracão: Proíbe a entrada de caninos
Homossexual: Sabão em pó para lavar as partes íntimas
Ministério: Aparelho de som de dimensões muito reduzidas
Detergente: Acto de prender seres humanos
Eficiência: Estudo das propriedades da letra F
Conversão: Conversa prolongada
Halogéneo: Forma de cumprimentar pessoas muito
inteligentes
Expedidor: Mendigo que mudou de classe social
Luz solar: Sapato que emite luz por baixo
Cleptomaníaco: Mania por Eric Clapton
Tripulante: Especialista em salto triplo
Contribuir: Ir para algum lugar com vários índios
Aspirado: Carta de baralho completamente maluca
Assaltante: Um 'A' que salta
Determine: Prender a namorada do Mickey Mouse
Ortográfico: Horta feita com letras
Destilado: do lado contrário a esse
Pornográfico: O mesmo que colocar no desenho
Coordenada: Que não tem cor
Presidiário: Aquele que é preso diariamente
Ratificar: Tornar-se um rato
Violentamente: Viu com lentidão

quinta-feira, janeiro 21, 2010

Sobre a educação


Nesta palestra de Daniel Dennett é de notar especialmente a proposta para a inclusão do ensino das religiões nos curricula, o que na eventualidade remotíssima de acontecer seria um excelente passo para a paz mundial.