quarta-feira, junho 13, 2007

A anarquia

É definitivo, a solução é a anarquia.
Se eliminarmos o Estado tudo o resto fica bem.
Só não sei como manter as religiões sem um estado que as protejam; também não sei como funcionaria uma economia sem estado, ou uma justiça.

Mas, palpita-me, Hobbes terá reflectido sobre isso.

2 comentários:

Anónimo disse...

A "malta" esquece-se que o Estado para além de ser uma instituição é constituído acima de tudo pelos cidadãos. E, surpreenda-se João Miranda porque os cidadãos somos todos nós: ricos, pobres, com pedigree, sem pedigree, da Opus Dei, da Maçonaria, dos lóbis e das máfias, do limbo dos que pensam estar acima da Lei e dos que cumprem penas por roubar a carteira de alguém, ateus, cristãos, muçulmanos, judeus, budistas...

João Rato disse...

O estado a que chegámos! Um estado privado de quase tudo com quase tudo privado: só falta ele quase!
Privatizem também o estado, o governo e a assembleia! Privatizem o Cavaco, o Sócrates e o raio que os parta, mas por favor em troca nacionalizem o Belmiro, a Lili Caneças e a cerâmica das Caldas!