quarta-feira, setembro 26, 2007

Uma parábola contemporânea


Mulher agride arrumador com bastão metálico.
Cena de pancadaria teve lugar em plena Avenida da Liberdade.
Uma mulher, armada com um bastão extensível metálico, deu uma ‘coça’ a um arrumador que costuma prestar serviço na Avenida da Liberdade, em Lisboa.

Quando vejo o título parece que temos mais uma notícia de violência doméstica. Mas afinal não, foi só mais um abuso do patronato sobre um trabalhador: o automobilista mandou o capataz dar um correctivo ao empregado.
Mas o Estado de Direito Democrático funcionou: os direitos do trabalhador violentado foram salvaguardados pelo zeloso agente da autoridade e o facínora abusador encontra-se a prestar contas à justiça.



«Clique» na imagem para ampliar

4 comentários:

João Rato disse...

Só há uma maneira de acabar com os arrumadores, é acabar com os carros.

MARIA disse...

É o que se chama uma mulher de armas.
E prova que uma mulher armada jamais deve ser enfrentada com a cabeça.
Um beijinho.
Maria

Metralhinha disse...

Não tenho nada contra os arrumadores, desde que ao mesmo tempo não tenha de pagar o estacionamento às empresas municipais.
Uns riscam-me o carro, outros rebocam-mo, ambos extorquem...

Metralhinha disse...

A senhora devia receber uma medalha no 10 das Caricas; o pintas devia ir limpar valados nas estradas do Alentejo em Agosto.