quarta-feira, setembro 12, 2007

Há dias em que sinto vergonha de ser português


O que é que os distingue
aos olhos dos órgãos de soberania portugueses?




O Dalai Lama não terá direito a ser recebido oficialmente por nenhuma autoridade do Estado Português – pela segunda vez.
Um pacifista, um defensor dos direitos humanos, um modelo de comportamento para todo mundo, um chefe religioso, uma das figuras verdadeiramente carismáticas do nosso tempo, não é digno para ser recebido por aqueles que nos governam.
Mas se calhar ainda bem. Quem é que se sente honrado por ser acolhido pelo estado que condecorou Nicolae Ceausescu, o tirano sanguinário da Roménia, com a Ordem de Santiago da Espada? Pelo país que faz finca-pé para acolher um ditador psicopata como Robert Mugabe? Pela estância de férias que alojou Mobutu e que deixa Fidel Castro palrar durante horas?
Portugal, um país sempre pronto a macaquear o que por lá fora se faz, sempre muito lesto a proclamar nos fora internacionais os seus princípios defensores dos direitos humanos, torna-se assim num dos raros sítios a não honrar um verdadeiro homem de valor.
Mas também – a bem da verdade histórica – só quem anda distraído é que poderá estranhar tal atitude do Estado Português. Afinal é nossa tradição das últimas décadas o vergarmo-nos frente a qualquer pressãozinha dos outros, seja de Mr. Brown, do Sr. Dos Santos, do coronel Chávez ou mesmo do grande farol dos direitos humanos, das liberdades e do liberalismo que é a China.
Se há dias em que sinto vergonha de ser português...

5 comentários:

Paulo Sempre disse...

"foi assim" livro de Zita Seabra Edt.Alethia - 2007.

Abraço

MARIA disse...

Pois é realmente de causar indignação, Metralhimha.
Que bem escrito, estruturado e pensado.
É sempre um gosto lê-lo, Metralhinha.
Um beijinho
Maria

Calimera disse...

Porque será que concordo?
Bj

Espectadora Atenta disse...

Excelente Posta!
Concordo plenamente consigo...

murcon disse...

Ó metralhinha, há dias que sentes vergonha de ser português?
Olha, dar-te por feliz porque eu à anos que sinto vergonha de ser português.