quinta-feira, agosto 23, 2007

Silly season

Um dos textos mais estúpidos que aqui pus (e nem texto era) tem sido o que mais visitantes traz através do Google. Loiras, morenas e pretas, isoladas ou combinadas entre si, trazem mais de um terço dos visitantes que chegam por via dos motores de busca. Uma postagem desinspirada feita em cinco minutos para cumprir calendário em dia de canícula ultrapassa de longe os temas da actualidade política e social ou até mesmo os faits divers que às vezes servem para entreter os nossos visitantes.
Deixa-me isto com pouquíssima vontade para escrever o que seja sobre o financiamento ilegal do PSD, sobre os transgénicos, ou até sobre a miúda inglesa e os cães farejadores de sangue, isto é, sobre a silly season – jurara a mim mesmo não fazer referência à época, mas não resisti – em todo o seu esplendor.
Que os partidos políticos têm financiamentos de legalidade duvidosa, não é novidade para ninguém; que há gente que esteve a monte – ou melhor dizendo, a banhos – e a ser julgada por causa deste crime, também já não é notícia; que tudo isto vai ficar em águas de bacalhau, todos sabemos. Então para quê tanto chinfrim?
Sobre os OGM, para já, não quero escrever mais. Ninguém quer saber a merda que come e não me cabe a mim tirar-lhe o apetite.
Os portuguesíssimos cães farejadores de sangue que não foram empregados na função pública para procurar a miúda desaparecida têm razão para estarem tristes. Afinal, os tolos queriam trabalhar de borla e foram preteridos pelos cães mercenários daquela empresa inglesa que anda por aí a promover os seus produtos, envergonhando, ao mesmo tempo, os bicharocos da nossa garbosa GNR. A propósito disto, ficámos a saber que foram esses amadores que descobriram onde estava um cadáver no rio Douro, mais uma vez envergonhando a Guarda e a Marinha – sem dúvida duas forças a extinguir dada a sua total ineficiência.
Perante estas (não-)notícias não é de admirar que qualquer pessoa bem formada prefira passar o seu tempo com umas cervejolas ou, em alternativa, na companhia dumas técnicas profissionais das artes meretrícias.
Eu, por cá, vou ali buscar uma inspiração de 12 anos e vou-me ao trabalho que se faz tarde.

6 comentários:

João Rato disse...

Também eu uma vez fui ver um filme que se chamava "sexo, mentiras e video" e saí de lá com o entusiasmo em baixo. De qualquer forma, ora aí está uma boa forma de fazer subir as audiências: a partir de agora os títulos das minhas postagens nunca mais vão ter a ver com os conteúdos!

MARIA disse...

Metralhinha, tudo faz parte da vida...
Formamos um novo partido que se defina por novas regras ?
Depois celebramos a vitória dos bons .
Na celebração são admitidas "loiras, morenas , negras e..."
Não mudaremos o mundo Metralhinha, mas somos motores de mudança ...
Beijinhos
Maria

pat disse...

É assim tão importante saber os motivos das pessoas para visitar o blog?! Eu acho que não, mas enfim...

Quando os assuntos são mais ligeiros qq um pode comentar. No entanto, para falar sobre temas mais importantes e especializados é necessário conhecimento, pesquisa e capacidade de síntese... daí a maior parte das pessoas não comentar esses posts (eu inclusive).

MARIA disse...

Pois eu com todo o respeito discordo. Às pessoas a quem falta mais ciência sempre faz bem vir roubá-la aonde é oferecida de tão boa qualidade, ao público e de graça.
Outra coisa, infelizmente, não se consegue subtrair pela caixinha de comentários.
Depois, nada mais produtivo e convidativo à reflexão que pensar com seriedade e expressar as ideias com alguma da graça que por via de tantos génios fez verdadeiras revoluções na história da humanidade.
É claro que aí também me não incluo, mas andamos cá todos, cada um no seu espaço...
Beijinhos
Maria

Metralhinha disse...

Se estivesse a vender publicidade a quantidade de visitas importava-me, assim não.
Mas é óbvio que me interessa quem nos lê e visita, afinal é para isso que estamos aqui. Caso contrário cada um de nós teria o seu caderninho onde poria as suas reflexões e nada mais.

Pat, é verdade. Também eu a maior parte dos blogues que visito não deixo comentários pelas mais diversas razões, sendo a principal a falta de tempo para o fazer.

Maria, não fale em encontrar-se ciência aqui na casa pois ainda nos fazem ministros, o que nos ia criar sérios problemas deontológicos.

João, o título desse filme até que não era de todo enganador, mas é evidente que resultou muito bem em termos comerciais. A estratégia proposta é fórmula para o sucesso imediato, in the long run...

Calimera disse...

Pois eu concordo.
Mas é a política, são os crimes, são essas notíciaszinhas que vendem, que dão audiências. E para mim Portugal está cheio destas notícias porque o cidadão gosta e é assim que não saimos da cepa torta.
Eu até que te dizia que acompanhava na tua inspiração de 12 anos :), mas nesta altura do ano até que prefirio uma cervejola :)
Bjss